×

Mensagem

Failed loading XML...

Entre a revelação do ID. Buzz concept e a produção completa da gama, que estará disponível no Outono, o desenvolvimento do projeto, ao longo de cinco anos de trabalho árduo, foi finalmente, entregue pela equipa de desenvolvimento da Volkswagen Veículos Comerciais e Volkswagen Veículos de Passageiros.

Mas como é que a equipa de designers conseguiu transferir o princípio básico do lendário Pão de Forma T1 original e os contornos nítidos do primeiro protótipo  para um MPV e um furgão totalmente elétricos? Como é que neste processo os engenheiros foram capazes de satisfazer todas as exigências de segurança, conforto de condução e utilização no dia-a-dia de um veículo elétrico moderno? E o que é que a equipa de produção e componentes teve de preparar, para incorporar todas as peças na operação de produção em Hannover, Alemanha, de forma que o ID. Buzz pudesse ser construído juntamente com os outros modelos da marca (T6.1 e Multivan) na mesma linha de produção?

A equipa de TV da Volkswagen Veículos Comerciais acompanhou todos os envolvidos nesse processo, para acompanhar essas conquistas e para documentar esse trabalho secreto. O resultado é um relatório abrangente, que pode visualizar em vídeo aqui mesmo...

Desenvolver a família ID. Buzz exigiu cooperação entre marcas e uma divisão do trabalho em partes iguais: juntos, designers e engenheiros procuraram os melhores conceitos possíveis que combinassem todos os requisitos vindos no briefing de especificação. Foram necessários sete anos de trabalho para ver renascer o Pão de Forma no ID. Buzz, um veículo concebido para agradar tanto a comunidade de fãs existente quanto a novos clientes. E, ao mesmo tempo, ser o mais eficiente possível: os componentes de baixo atrito da plataforma para veículos elétricos da Volkswagen (MEB) contribuem para isso, assim como a boa aerodinâmica da carroçaria, da parte inferior e das rodas. Depois de muito trabalho detalhado, o resultado é excelente: com apenas 0,285, o coeficiente de arrasto (cd) do ID. Buzz é menor do que qualquer outro veículo da marca.

Com os primeiros protótipos, construídos à mão, pode-se determinar se todos os dados de projeto e simulações virtuais podem, efetivamente, ser trazidas para o mundo real. A prova de qualidade reside nos testes. Para assegurar que o ID Buzz, revelado recentemente, também cumpre os elevados requisitos de qualidade da Volkswagen, o "Pão de Forma" elétrico foi posto à prova numa maratona complexa e exaustiva - em toda a Europa e em condições extremas. Primeiro num ambiente extremamente quente, muito árido primeiro e depois em zonas tropicalmente húmidas. Passa-se depois para o extremo oposto com ambientes extremamente frios, novamente seco ou húmido. E em muitos lugares sem uma verdadeira superfície de estrada. Depois, em simulações de caminhos molhados devido à chuva, neve, gelo e poeira para ver o que poderia atravessar as juntas da carroçaria e na sua parte inferior e que pudesse causar potenciais problemas mais tarde.

ID Buzz 002

O ID. Buzz e o ID. Buzz Cargo, ambos equipados com suspensão traseira multi-link para separação de forças transversais e longitudinais, demonstram no extremo norte da Escandinávia, o seu potencial sobre a neve e o gelo. O design dos materiais, as funções elétricas e eletrónicas, a montagem do chassis, a aceleração, a travagem e a direção com baixos coeficientes de atrito e a gestão térmica de todo o veículo, foram outros aspetos examinados durante os testes em baixas temperaturas.

"As várias gerações da Transporter ou da Multivan sempre se distinguiram pela sua facilidade de utilização no dia-a-dia", diz Stefan Lutz, Técnico de Projetos da Volkswagen Veículos Comerciais. "Por conseguinte, também testámos o ID. Buzz sob todas as condições e situações meteorológicas. Os motores, fluidos, todos os sistemas e processos operacionais, os indicadores e displays devem funcionar na perfeição. Só fazendo isto é que podemos ter a certeza de que o veículo pode ser conduzido sem problemas em todas as regiões do mundo". 

E os testes são feitos ao pormenor: na câmara fria, por exemplo, são executados testes para ver a rapidez com que, após a partida do veículo, o espelho retrovisor exterior, que fica congelado, demora a ser limpo pelo aquecimento do veículo. Para passar, o espelho - precondicionado a 20 graus negativos - deve proporcionar uma visão nítida para a retaguarda em apenas três minutos.

Pin It