Ministério Público investiga acidente em GuimarãesO Ministério Público (MP) de Guimarães confirmou, esta segunda-feira, que "já deu entrada" nos serviços a comunicação do acidente ocorrido no domingo no Rali Sprint de Guimarães , apontando como "prioridade" ordenar a realização da autópsia às três vítimas mortais.

Uma fonte no MP de Guimarães citada pela agência Lusa explicou que o processo vai agora correr os trâmites "normais" em casos de morte violenta e que, "num primeiro momento", o "mais importante" é "acautelar o sofrimento das famílias das vítimas".

Uma mulher de 38 anos, o filho dela, de 8 anos, e uma outra criança, de 13 anos, faleceram, no domingo, depois de terem sido colhidos por um carro que se despistou no final de um percurso do Rali Sprint de Guimarães, ferindo ainda outras oito pessoas, duas das quais com gravidade.

"Agora que o processo já deu entrada no Ministério Público, a primeira coisa a fazer será ordenar que seja feita a autópsia aos três mortos. É a prioridade nos casos de morte violenta, de forma a que seja acautelado o sofrimento das famílias das vítimas. Depois seguem-se os trâmites normais nestes casos", afirmou a mesma fonte do MP, acrescentando: "Será investigado o estado da via, as condições climatéricas, ouvidas eventuais testemunhas, feitas diligências, envolvidos no acidente, constituídos ou não arguidos, aferido se houve, ou não, dolo, etc.".

Um dos aspectos sobre este caso que o MP deverá averiguar é o local onde se encontravam os espectadores atropelados, uma vez que as primeiras informações dadas pelos bombeiros e pela organização da prova foram contraditórias. De acordo com o segundo comandante dos Bombeiros Voluntários de Guimarães, Joaquim Oliveira, as vítimas "estariam num talude" em "local de segurança", enquanto o director da prova, Eduardo Crespo, relatou que estariam "na berma" da estrada, “a caminho do local da prova", num local que "não estava vedado" mas que estava assinalado como sendo "perigoso".

Na noite de domingo, através do secretário de Estado do Desporto e Juventude, Emídio Guerreiro, natural de Guimarães, o Governo lamentou o acidente ocorrido na prova vimaranense: "As minhas palavras vão para as famílias, deixando um voto de profundo pesar pelo ocorrido. O desporto é um espaço de vida e é com grande tristeza que vimos esta manifestação desportiva associada a algo tão trágico como a perda de vidas humanas".

A autarquia de Guimarães lamentou igualmente esta tragédia, enquanto a Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting (FPAK) anunciou, também na noite de domingo, a criação de uma comissão de inquérito para apurar as causas do acidente, conforme o LusoMotores noticiou.

foto: DR/TVI24/Vitor Fernandes

Pin It