Quando o mercado ainda desconhecia as mudanças que se avizinhavam na estrutura da Nissan em Portugal, que viriam a culminar com a mudança da marca nipónica para o controlo do Grupo Salvador Caetano, o LusoMotores avançou para o ensaio de alguns modelos Nissan, a começar pelo Juke Hybrid 145cv N-Design. Um segmento B com um estilo desportivo e irreverente, combina um design arrojado com eficiência energética e tecnologia avançada, tendo dado a conhecer ao longo do ensaio todas as características que fazem deste veículo uma opção interessante no mercado.

Nissan Juke Hybrid 145 cv N-Design

Ficha Técnica

Motor: Híbrido (motor a gasolina + motor elétrico) 

Cilindrada: 145 cv às 5600 rpm

Potência: 145 cv às 5600 rpm

     •Binário: —

Aceleração 0-100 km/h: 10,1 s

Autonomia elétrica: —

Tração: Dianteira

Preço: a partir de €35.110

Gostámos...

1. Design arrojado e distintivo
2. Eficiência energética e baixas emissões de CO2

...ou nem por isso!
1. Espaço limitado no banco traseiro e no porta-malas
2. Aceleração e desempenho menos impressionantes.

Começando exactamente pelo design, o Juke Hybrid apresenta um visual único e distintivo. nomeadamente nesta variante N-Design em que alguns pormenores fazem a diferença como as jantes de liga leve AERO Two Tone de 19'', também os faróis Full LED (dianteiros, traseiros e de nevoeiro traseiros), o ecrã Nissan Drive Assist onde se inclui o computador de bordo com ecrã TFT a cores de 7", a conectividade do veículo a tirar partido da utilização dos serviços Google Android Auto ou Apple Carplay e ainda o painel de instrumentos Híbrido com informação do fluxo de energia.

Sobre tudo isto, as suas linhas esculpidas e detalhes marcantes dão ao carro uma aparência moderna e desportiva, sendo que o N-Design, em particular, adiciona elementos exclusivos que acentuam ainda mais o caráter dinâmico do veículo, concretamente a personalização exterior N-Design na cor do tejadilho (molduras dianteiras, laterais e traseiras)a personalização exterior N-Design na cor do tejadilho (molduras dianteiras, laterais e traseiras), destaques que captam o olhar daqueles que com ele se cruzam, acentuando a ideia de que se trata de um modelo automóvel diferente dos demais, nomeadamente pela sua personalidade vincada.

Ao entrar no carro, fui recebido por um habitáculo espaçoso e bem projetado, nomeadamente para o condutor e o acompanhante. Atrás o espaço já não é tão generoso, mas as dimensões deste Nissan Juke também não permitem inventar espaço onde ele não existe. Ainda assim, se à frente se viaja com espaço e conforto, na fila de bancos traseira o conforto está igualmente presente, ficando apenas a faltar mais alguns centímetros para tornar mais agradável a viagem de qualquer adulto de elevada estatura que numa viagem longa terá alguma dificuldade em guardar os joelhos.

À frente ou nos bancos traseiros, os materiais de alta qualidade e os acabamentos elegantes criam uma atmosfera elegante, com bancos confortáveis, capazes de oferecer bom suporte e garantindo para o condutor uma experiência de condução agradável do mesmo modo que para os passageiros a possibilidade de viagens tranquilas em que o cansaço e a fadiga demoram a instalar-se a bordo.

Em termos dinâmicos, ao longo do testdrive pude experimentar a eficiência do sistema híbrido do Juke. A combinação de um motor a gasolina com um motor elétrico proporciona uma condução suave e económica, num modelo que oferece uma potência de 145 cv, o que é mais do que suficiente para uma condução urbana ágil e responsiva. Aliás, um dos pontos positivos do Juke Hybrid é a sua eficiência energética, num automóvel que combina o motor a gasolina com o motor elétrico, conseguindo economizar combustível e reduzir as emissões de CO2. Isso não apenas beneficia o meio ambiente, mas também ajuda a reduzir os custos de combustível no orçamento do proprietário.

Como ponto menos positivo fica assim o espaço limitado no habitáculo, e nomeadamente no banco traseiro, mas também na capacidade da bagageira. Este espaço limitado resulta do design compacto do Juke, claramente ajustado aos ambientes citadinos onde este modelo da Nissan se mostra particularmente adaptado, mas que pode ser ao mesmo tempo um inconveniente para viagens famíliares ou para aqueles que precisam de mais espaço para bagagem.

Olhando para o mercado português, num segmento competitivo como é aquele em que se insere este crossover citadino, facilmente podemos nomear dois concorrentes diretos do Nissan Juke Hybrid 145cv N-Design, nomeadamente o Toyota C-HR Hybrid, modelo que está a chegar em breve numa nova geração, e o Hyundai Kauai Hybrid, também ele recentemente renovado e que tem como ponto prévio o facto de oferecer um interior mais espaçoso. Em ambos os casos, estamos perante veículos que oferecem eficiência energética e estilos atraentes, tal como o Juke Hybrid, e que estarão a pressionar a Nissan a surgir em breve com novidades também para este modelo.

Ainda assim, com uma imagem tão assertiva quanto jovem e irreverente, o Nissan Juke destaca-se claramente dos demais pelo seu design ousado e pela tecnologia avançada que oferece, integrado numa marca com tradições firmadas no mercado português que lhe permitem desde logo um capital de confiança por parte do mercado. Quanto a nós, gostámos do que testámos, embora tenha ficado a convicção de que o construtor terá que rver em breve a imagem deste modelo, tendo em conta nomeadamente as renovações que os concorrentes introduziram ou estão a introduzir nas respectivas propostas, o que obriga a Nissan a dar um passo em frente também no que diz respeito a este Nissan Juke.

ensaio: Jorge Reis/LusoMotores
PUB
600 90 rodape

 

Pin It