O convite chegou até nós, finalmente, por parte da Duster Portugal, para podermos conhecer o novo Dacia Duster, modelo que garantiu enorme êxito nas duas gerações anteriores e que só uma bizarra classificação nas portagens poderia impedir o sucesso que certamente voltará a ter com esta terceira geração que pudemos agora conhecer por terras alentejanas. Depois de ter deixado claro que só apresentaria o novo Duster quando existisse uma solução para permitir que o o mesmo fosse entendido como Classe 1 nas portagens, a Dacia Portugal cumpriu a sua promessa pois, logo que resolveu a questão das classes em portagens, avançou para a apresentação deste modelo que continua a ter tudo para ser um sucesso comercial no seu segmento.

Desde logo, numa observação mais atenta da realidade deste novo Dacia Duster reforçámos a convicção que já tínhamos conseguido quando vimos este modelo na Aventura Dacia 4x2 do Clube Escape Livre, de que aqui demos conta oportunamente. Afinal, até um olhar menos atento confirma que estamos na presença de um novo Dacia Duster. As linhas são mais modernas e a imagem de robustez sai reforçada em diversos pormenores estilísticos. Mas como adjectivar o habitáculo do novo Duster? É que, em relação à primeira geração, os progressos em qualidade percepcionada, ergonomia, conforto e equipamentos tecnológicos são verdadeiramente notáveis e isso confirma-se também em estrada.

Determinante para uma colocação no mercado foi a capacidade que a Dacia permitiu ao fazer chegar ao novo Duster a Portugal com características à medida para que possa ser taxado como Classe 1 nas portagens nacionais (versão 4x2). Para além deste argumento sem dúvida determinante, outros argumentos apresenta que certamente poderão convencer o mercado, nomeadamente o bom nível de equipamento a bordo, as capacidades e robustez dinâmicas e ousadia no momento de enfrentar percursos mais rudes e pisos menos apresentáveis, mas também as motorizações a gasolina e diesel que a marca permite na gama e uma oferta de preços a partir de 14.900 euros, sem dúvida um valor que se apresenta imbatível, nomeadamente se tivermos em conta aquilo que é oferecido pelo valor pedido.

Dos cinco milhões de modelos Dacia já produzidos, cerca de um quarto correspondem ao Duster, não sendo contabilizadas nestes números as unidades comercializadas sob a marca Renault na América Latina e Ásia. Esta realidade confirma que o Duster é um automóvel à escala global, apresentando-se como um enorme sucesso comercial, independentemente do país e do perfil dos clientes. Aliás, um dos maiores méritos do SUV do Grupo Renault é precisamente o de conseguir conquistar mercados com necessidades, mentalidades e modos de vida tão diferentes como os europeus, asiáticos e latino-americanos.

Amortecedor rebaixado em 20mm para permitir Classe 1

No percurso de sucesso que o Dacia Duster tem mantido, Portugal não tem sido excepção, isso porque desde que foi lançado, em 2010, o Duster caiu nas graças dos portugueses. Nas redes sociais, a comunidade “Dusteriana” é genuinamente entusiasta, e o Duster é, hoje, um ícone igualmente em Portugal. Afinal, são já cerca de 7.500 os Dacia Duster que circulam nas estradas nacionais, uma realidade que levou o Grupo Renault a avançar para a alteração de algumas linhas de montagem para produzir o novo Duster à medida de Portugal. Ou melhor, à medida da idiossincrática taxação das portagens nacionais.

Com efeito, com o objectivo de ser taxado como Classe 1 nas portagens, todos os Duster (4X2) produzidos para Portugal vão integrar um amortecedor específico, com um apoio da mola rebaixado em 20 milímetros. As molas vão variar em função dos pesos das diferentes motorizações e níveis de equipamento, com o objetivo de assegurar sempre o mesmo nível de conforto e de comportamento dinâmico.

A tarefa não se adivinhava fácil, tendo em conta que, até no design, o Duster foi sempre consensual. Mas o resultado, com assinatura de Laurens van den Acker (Diretor do Design Industrial da Renault), confirma que valeu a pena, confirmando-se que o novo Duster está mais moderno, mas sem comprometer a imagem de robustez que sempre caracterizou o modelo. Aliás, as linhas são ainda mais marcantes, graças a alguns detalhes:

- Os faróis dianteiros foram deslocados para as extremidades da carroçaria, ao mesmo tempo que a grelha foi alargada;
- O capô foi desenhado em posição mais horizontal;
- A cintura de carroçaria surge agora mais elevada;
- As novas protecções na dianteira e traseira apresentam-se com dimensões superiores;
- O pára-brisas é agora mais inclinado e com uma base que avançou uns consideráveis 100 milímetros;
- Um dos detalhes que se destacam na observação deste modelo resulta das novas barras de tejadilho em alumínio;
- Outro “pormaior” do novo Dacia Duster é permitido pelas novas jantes de 17 polegadas.

Ainda no exterior, sobressai a nova assinatura luminosa, que inclui faróis diurnos com LED na dianteira, repartidos em três segmentos. Mas, igualmente, na traseira o novo Duster assume a assinatura luminosa da Dacia, formada por quatro quadrados vermelhos e também com os faróis a serem empurrados para as extremidades da carroçaria. Curiosamente, este SUV agora apresentado em termos práticos é ligeiramente mais estreito, mas na observação a partir do exterior fica a ideia contrária, permitida por uma ilusão óptica para a qual contribui exactamente o facto dos conjuntos ópticos terem sido "puxados" para as extremidades do conjunto.

Extraordinária evolução no interior

Se a boa impressão em redor do novo Duster permitida por uma observação exterior é imediata, ao entrarmos no habitáculo prosseguem as surpresas positivas com uma diferença clara relativamente ao que era até agora conhecido no Dacia Duster. A primeira mudança, aliás, salta à vista e vem corrigir o posicionamento do painel de entretenimento na consola central, o ecrã “touche screen” MediaNav Evolution agora colocado numa posição mais elevada e com um inclinamento positivo que permite uma visibilidade efectiva para o condutor, algo que nas gerações do Dacia Duster não acontecia. Para além desta questão que não poderá ser de todo tida como de menor importância, antes pelo contrário, nota ainda para os melhores materiais e acabamentos disponíveis.

O painel de bordo surge assim completamente novo, sendo fabricado num material mais nobre e suave ao toque. Os manómetros têm um novo desenho, enquanto os novos puxadores e apoios de braço (em espuma) integrados nos painéis das portas, e a alavanca de velocidades (mais curta) com inserções em cromado acetinado, acentuam a perceção de qualidade. Afinal, assim que se senta no interior do habitáculo do novo Duster a sensação de conforto é imediata. Os estofos de malha 3D em relevo, com pesponto, são completamente novos, para além de que, com maior capacidade de retenção e de apoio lombar, o banco do condutor beneficia agora de um apoio de braço e da possibilidade de ser regulado até 60 milímetros em altura (mais 20 mm que a anterior geração).

A ergonomia foi outro dos aspetos que mereceu particular cuidado no desenvolvimento do novo Duster, sendo também notáveis os progressos feitos em relação à geração anterior. Na consola central sobressai o já referido ecrã MediaNav Evolution, mas também os novos comandos, sob a forma de teclas de piano, que conferem um aspeto moderno ao habitáculo. Uma estreia na gama Dacia é o ar condicionado automático, com os três comandos redondos, a estarem em perfeita harmonia com os três arejadores, colocados na parte superior do painel de bordo.

Ainda no que toca a ergonomia, a alavanca do travão de mão e o comando 4X4 (nas versões correspondentes) passam a ter um posicionamento mais acessível, enquanto o volante passa a ser regulável em altura e profundidade. Uma referência, igualmente, para os novos espaços de arrumação. Distribuídos pelo habitáculo, têm a capacidade total de 27,2 litros. Uma das novidades é uma útil gaveta, situada sob o banco do passageiro, com a capacidade de 2,8 litros. O porta-bagagens reivindica um volume de 445 dm3 VDA (478 litros) na versão 4x2 e de 411 dm3 VDA (467 litros) na versão 4x4. O volume máximo, com o banco traseiro rebatido, pode atingir os 1.478 dm3 VDA (1.623 litros).

Qualidade dos materiais e insonorização do habitáculo

Uma vez ao volante como pudemos verifricar no percurso de Lisboa a Vila Viçosa, quer por asfalto quer em trilhos fora de estrada propostos pela Dacia Portugal para esta apresentação do seu SUV, e para além da sensação de qualidade e de conforto, rapidamente se percebe que os notáveis progressos da nova geração são extensivos à dinâmica. Um dos aspetos que mereceu particular atenção foi a direção, que passou a filtrar, na perfeição, as irregularidades do piso ou mesmo os percursos mais duros e irregulares em fora de estrada. Mas também a insonorização foi notavelmente melhorada – a marca garante que desapareceram metade dos ruídos de rolamento da geração anterior, sendo que logo na travessia da Ponte 25 de Abril impressionou pela quase perfeita insonorização mesmo quando percorremos a faixa central da estrutura sobre o piso metálico. O segredo para a insonorização global está, entre outras causas, no aumento (entre 20 a 50 por cento) das superfícies de absorção no habitáculo e na zona do motor, bem como à aposta num vidro dianteiro com 0,35 milímetros de espessura.

Mas como a condução tem de ser sinónimo de prazer, mas também de segurança, será importante fazer uma referência para os novos equipamentos tecnológicos. Nesse sentido, destaque para o sistema de câmara multivistas, uma estreia absoluta na Dacia e em modelos do Grupo Renault. Assente em quatro câmaras – uma frontal, duas laterais e uma instalada na traseira – esta tecnologia permite ao condutor uma visão 360 graus do ambiente que o rodeia. Ativa-se automaticamente ao engrenar a marcha-atrás, sendo que ao engrenar rapidamente uma relação para a frente, a câmara muda de ângulo. Também pode ser accionado manualmente este sistema, carregando no botão “MVC” do conjunto de comandos.

Simples de utilizar, o ecrã do sistema de navegação exibe a imagem captada por uma câmara de cada vez. O sistema desativa-se quando se prime o botão “MVC” ou logo que a velocidade ultrapassa os 20 km/h. As câmaras laterais, posicionadas sob os retrovisores, permitem visualizar diretamente as rodas dianteiras, para conhecer, com rigor, a posição do automóvel no terreno.

Na lista de tecnologias de segurança, outra estreia na gama Dacia é o alerta de ângulo morto. Constituído por quatro sensores, instalados nas quatro extremidades da carroçaria, estes sensores detetam a presença de qualquer veículo na traseira ou lateralmente, numa zona de três a cinco metros. Um testemunho luminoso (LED) situado no retrovisor exterior assinala, automaticamente, o perigo. Com o pisca-pisca ativado, se algum veículo se encontrar na zona de ângulo morto, o testemunho luminoso LED do retrovisor pisca. Este sistema funciona quando o automóvel circula a uma velocidade entre 30 km/h e 140 km/h.

O novo Duster oferece ainda um sistema de activação automática das luzes, um conforto suplementar para o condutor, assim como um muito prático cartão mãos-livres, que ativa, automaticamente, o destrancamento das portas quando o condutor se aproxima e o respectivo trancamento quando se afasta. Aliás, graças ao botão start/stop, deixa de ser necessário recorrer à chave para acionar o motor. Já o MediaNav Evolution referido atrás, e que integra o Driving Eco2, dispõe de uma função eco-coaching que permite ao condutor otimizar o seu estilo de condução.

Mais conforto e melhores desempenhos

Mas se face aos progressos em matéria de qualidade, conforto, ergonomia e novos equipamentos, o novo Duster é prometido pelo construtor como uma tentação para longas viagens de asfalto, a verdade é que também mantém intactas as aptidões em fora de estrada que ajudaram ao sucesso e popularidade do modelo original. Na verdade, e como pudemos verificar, foram reforçadas algumas competências, com o recurso a tecnologias de enorme utilidade para situações mais extremas.

Apesar de todas as evoluções, o novo Duster não deixou de ser um SUV no sentido estrito do conceito. Um automóvel perfeito para o quotidiano, mas também o “companheiro” para partir à descoberta da natureza e dos trilhos mais inacessíveis, com muita aventura, destreza e adrenalina para os mais radicais. É que, em fora de estrada, o novo Duster sente-se como peixe na água, independentemente da versão 4X2 ou 4X4, contribuindo para esta realidade números como os 4,34 metros de comprimento, os 1,80m de largura, os 210 milímetros de altura ao solo, também o ângulo de ataque de 30° e o ângulo de saída de 33° na versão 4X4, bem assim como de 34° na versão 4X2, sem esquecer o ângulo ventral de 21°. Ou seja, estamos perante um SUV compacto, mas desenhado para atacar qualquer obstáculo.

Mesmo nas subidas mais íngremes, o sistema de ajuda ao arranque em subida (Hill Start Assist) permite que o Novo Dacia Duster fique colado ao chão, não obrigando assim a procurar o ponto de embraiagem. Já o sistema de controlo em descida (Hill Descent Control) permite controlar a velocidade de descida em pisos com inclinação bastante acentuada. Ao atuar nos travões, este sistema assegura uma excelente estabilidade do automóvel. Estes sistemas, aliás, deram conta do seu funcionamento preciso e das respectivas capacidades quando chamados a intervir no teste supremo que pudemos realizar ao descer ao volante do novo Dacia Duster ao fundo de uma das principais pedreiras de Vila Viçosa, a mais de 140 metros de profundidade, em caminhos com grandes inclinações que foram sempre enfrentados pelo Dacia Duster com enorme maestria e descontração, tanto na descida como na subida à superfície.

Para além destes dois sistemas (em estreia no Duster), destaque para a importância da câmara 360 graus em fora de estrada. Sim, porque, não raras vezes, não é fácil detetar aquela vala mais pronunciada, a pedra de maiores dimensões ou aqueles obstáculos que até podem mudar o visual do automóvel. E para os indefetíveis do todo-o-terreno, porque o novo Duster é perfeito também para eles, referência para o ecrã de informações 4X4, que integra uma bússola e indica, em tempo real, os diversos ângulos de inclinação do automóvel.

Completa gama de motores e preços a partir de 14.900 euros

No que diz respeito às motorizações disponíveis para este novo Dacia Duster, a oferta a gasolina contempla o motor TCe 125 (apenas nas versões 4X2), associado a uma caixa manual de seis velocidades. O bloco SCe 115 (também para versões 4X2) estará disponível posteriormente, com uma oferta Gasolina-GPL. Quanto ao Diesel, o motor dCi 110 está disponível nas versões 4X2 e 4X4, e sempre associado a uma caixa de comando manual de 6 velocidades.

Por último, referência para os progressos do Novo Duster também em matéria de segurança passiva, ao beneficiar de alguns itens que obrigam a alguns destaques...

- Novas longarinas com espessura aumentada;
- Novos reforços estruturais (montante de enquadramento de para-brisas, longarinas sob o piso);
- Novas estruturas de bancos;
- Novos apoios de cabeça dianteiros com volume aumentado (tanto em superfície como em espessura), que oferecem uma melhor proteção em caso de colisão traseira;
- Novos airbags tipo cortina;
- Pré-tensores pirotécnicos com limitadores de esforço nos lugares dianteiros e laterais traseiros;
- Fixações ISOFIX para instalação de cadeiras para criança nos lugares laterais traseiros;
- Novo Seat Belt Reminder (SBR) traseiro com visualização, no quadro de instrumentos, do número de cintos de segurança traseiros não utilizados e alerta em caso de desativação de algum dos cintos em andamento;
- Novo absorvedor de para-choques e nova conceção do capô, para aumentar a capacidade de absorção de energia em caso de impacto contra peão;
- Retrovisores exteriores, com uma superfície aumentada em 8 %, que ajudam à melhoria da visibilidade do condutor.

Por fim, aquele factor que pode fazer toda a diferença na aquisição de qualquer automóvel, e que para o Dacia Duster se apresenta como de elevada importância, resulta dos preços determinados para esta proposta da Dacia, com um posicionamento de preços a partir de 14.900 euros. Quanto aos preços para as diferentes motorizações e níveis de equipamento, propomos que consulte aqui mesmo a informação permitida pela Dacia Portugal.

Com chegada à rede de concessionários da marca marcada para o próximo dia 29 do corrente mês de Junho, o novo Duster beneficia da garantia contratual de 3 anos ou 100.000 quilómetros, fechando-se assim um aliciante “pacote” de argumentos, afinal bem evidenciados nos poucos minutos de imagens permitidas pela Dacia Portugal exactamente na pedreira de Vila Viçosa, da qual toneladas de mármore saem de Portugal para mercados tão distantes quanto o Dubai, a Índia ou a europeia Itália.

reportagem: Jorge Reis

Pin It